Gestão Estratégica

O que é Planejamento Estratégico Situacional: definição e como funciona na prática

O que é Planejamento Estratégico Situacional: definição e como funciona na prática

Publicação : 21/04/2019

Por Siteware

7 min

O que é Planejamento Estratégico Situacional
O que é Planejamento Estratégico Situacional

Saber onde se quer chegar é fundamental. Sem isso, é impossível definir o que fazer hoje para construir um futuro melhor para seu negócio.

A sua empresa conta com um planejamento estratégico?

Essa é uma ferramenta de gestão extremamente importante para quem quer alcançar melhores resultados nos negócios. Mas existe um tipo de planejamento que promete trazer mais assertividade: o situacional.

Quer entender melhor o que é planejamento estratégico situacional e como ele pode ajudar a sua empresa? Então, fique com a gente e continue a leitura!

Confira também em nosso canal no YouTube:

Saiba mais: Quais são as etapas do planejamento estratégico: conheça as 4 principais e as melhores ferramentas

O que é planejamento estratégico situacional?

Idealizado e desenvolvido pelo economista chileno Carlos Matus no início da década de 1970, o Planejamento Estratégico Situacional (PES) é uma metodologia criada, inicialmente, para lidar enfrentando os desafios da administração pública.

Com o passar dos anos, o PES ganhou força no meio corporativo e hoje é utilizado em várias organizações como uma alternativa ao planejamento estratégico tradicional.

Diferentemente da abordagem tradicional, a flexibilidade é a palavra-chave no planejamento situacional. Os planos de ação elaborados podem passar por adaptações e reformulações de acordo com o comportamento de diferentes variáveis situacionais.

Se no planejamento tradicional há pouca ou nenhuma possibilidade de improvisar ou redesenhar estratégias, no situacional valoriza-se o improviso e a flexibilização do que foi previamente estabelecido.

Segundo o próprio Carlus Matus, o PES foge do determinismo e da estaticidade dos problemas, algo presente no método tradicional.

Além disso, o Planejamento Estratégico Situacional leva em consideração o atual momento que a empresa está vivendo na hora de propor as ações, sem deixar de considerar também as mudanças constantes às quais a organização pode estar sujeita.

Leia também: Análise de cenários para planejamento estratégico: conheça as melhores ferramentas

As variáveis do Planejamento Estratégico Situacional

Para saber o que é Planejamento Estratégico Situacional, é preciso compreender também que essa metodologia leva em conta dois tipos básicos de variáveis: as controláveis e as não controláveis.

Variáveis controláveis

As variáveis controláveis são aquelas sobre as quais a organização consegue exercer o controle direto. Por isso, são relevantes para que os objetivos propostos no planejamento possam ser alcançados.

Exemplos: produtos, preços, distribuição, marketing etc.

Variáveis não controláveis

As variáveis não controláveis são aquelas que fogem ao controle da organização. Há três tipos:

  • Invariantes: variáveis que não se pode controlar, mas se pode prever seus comportamentos. Exemplo: mercado financeiro, câmbio etc.
  • Variantes: variáveis que não se pode controlar nem prever comportamentos. Exemplo: concorrência.
  • Surpresas: variáveis com poucas chances de ocorrer, mas capazes de impactarem os objetivos do planejamento. Exemplo: acidentes, desastres naturais etc.

Veja mais: Vantagens e desvantagens do planejamento estratégico: vale mesmo a pena?

Como o Planejamento Estratégico Situacional funciona na prática?

Saber o que é Planejamento Estratégico Situacional não basta; é preciso entender como ele funciona na prática.

Em vez de etapas, como pode ser observado no planejamento tradicional, Matus segmenta o PES em momentos.

Vamos a eles:

Momento Explicativo

Neste primeiro momento, identificam-se, descrevem-se e explicam-se todos os problemas que se pretende solucionar com o PES.

Tais problemas precisam ser devidamente categorizados de acordo com o grau de prioridade e de impacto que cada um deles exerce sobre a organização.

Aqui não se deve considerar apenas indicadores, pesquisas e avaliações; é necessário levar em consideração também as circunstâncias reais de cada problema.

Momento Normativo

No momento normativo, é definida uma situação ideal; ou seja, uma descrição de como tudo deveria ser em condições ideais.

Em outras palavras: os resultados que deveriam ser alcançados se tudo transcorresse exatamente como planejado, sem desvios e surpresas.

Momento Estratégico

Neste terceiro momento, diferentemente do normativo, são colocadas as adversidades que você poderá enfrentar durante o processo de implementação do seu planejamento estratégico.

Para isso, é necessários averiguar as possíveis contradições entre os objetivos estabelecidos, a disponibilidade de recursos para viabilizar o projeto, a burocracia dos processos, a probabilidade de dar tudo errado e quais fatores podem contribuir para que isso aconteça.

Momento Tático-Operacional

O último momento do PES trata da execução e do monitoramento das ações que se pretende implementar.

Para isso, é preciso delegar atividades, definir prazos e orçamentos, organizar como tudo vai ser feito, supervisionar cada agente envolvido, prestar contas e promover a avaliação e a melhoria contínua.

Ou seja, é preciso acompanhar os efeitos de cada uma das ações previstas no planejamento para, então, saber se há necessidade de alterar o percurso.

Confira este modelo esquemático dos 4 momentos do Planejamento Estratégico Situacional:

O que é Planejamento Estratégico Situacional
Fonte: Scielo

Ficou claro o que é Planejamento Estratégico Situacional e como ele funciona na prática? Então, que tal aplicar essa metodologia na sua empresa?

Leia mais: Tipos de planejamento estratégico: conheça os 3 principais e como aplicar em sua empresa

Como você acompanha os resultados do seu planejamento estratégico? Com o STRATWs One é possível definir KPIs para diversas áreas da empresa e monitorar seu desempenho em tempo real.

Revolucione a gestão da sua empresa com o STRATWs One

Daniella DoyleJornalista e Publicitária de formação, está no mercado há mais de 15 anos com foco em gerar resultados para empresas B2B por meio de estratégias online e offline. Adora uma nova tendência e trabalhar com métricas e metas. É gerente de marketing na Siteware e, quando sobra um tempinho, aproveita para tricotar e pintar!

Quer começar a acompanhar indicadores de desempenho em sua empresa? Então, baixe nosso e-book gratuito: como criar o seu dashboard de indicadores de desempenho em 3 dias