Gestão Estratégica

4 das melhores técnicas de gestão empresarial: testadas e aprovadas

4 das melhores técnicas de gestão empresarial: testadas e aprovadas

Publicação : 18/03/2018

Por Siteware

11 min

Uma boa gestão é um ponto determinante para que qualquer empresa alcance sucesso.

Mas isso não é exatamente uma tarefa fácil, não é mesmo?

Muitas são as técnicas de gestão empresarial que inundam o mundo corporativo e que prometem facilitar o cotidiano de gestores e aumentar a produtividade do processo administrativo nas empresas.

Com essa grande quantidade de opções, fica difícil definir qual implantar em seus negócios.

Afinal, uma escolha inadequada poderá trazer prejuízos à sua organização.

Por isso, listamos 4 técnicas de gestão empresarial que realmente dão resultados e que merecem sua atenção.

4 eficientes técnicas de gestão empresarial

gestão empresarial

1- Gestão à Vista

A Gestão à vista é uma das técnicas de gestão empresarial mais importantes quando o assunto é melhorar o engajamento dos colaboradores de uma organização.

Como o próprio nome sugere, essa é uma metodologia baseada na transparência de informações sobre um projeto ou setor de uma empresa.

Ou seja, ao invés de um time apenas seguir ordens de um gestor, todos os colaboradores têm acessos aos dados referentes às suas atividades e aos resultados.

Quais as vantagens?

Conhecer o projeto como um todo:

Com acesso a todas as informações necessárias, os colaboradores terão profundo conhecimento de suas tarefas.

Poderão acompanhar o desenvolvimento das atividades e entender os projetos profundamente.

Assim, será mais fácil fazer planejamentos, se adaptar a mudanças e garantir maior integração.

Melhorar o trabalho em equipe:

Ao tornar as tarefas e resultados do time mais integradas, a sintonia do grupo aumenta, tornando o trabalho em equipe muito mais eficiente.

Afinal, sem um grupo conectado e unido, nenhuma empresa consegue prosperar, de fato.

Avaliar resultados:

É possível ter um entendimento mais claro sobre o desempenho da empresa e de seus colaboradores, individualmente.

Torna-se mais fácil identificar acertos e possíveis falhas e introduzir mudanças ou dar continuidade àquilo que está dando certo.

Funcionários mais engajados:

Com uma melhor ideia de tudo o que está acontecendo em seus projetos, os colaboradores apresentam um maior sentimento de responsabilidade com as atividades realizadas.

Sentem-se como partes essenciais de um projeto construído em conjunto.

O resultado não é apenas uma equipe mais unida, mas funcionários mais engajados, enxergando o impacto verdadeiro de suas ações.

Como colocar em prática?

Para colocar em prática a gestão à vista, há quem optar por ferramentas bastante simples, como o uso de lousas e quadros contendo as informações compartilhadas.

Mas a utilização de técnicas mais arrojadas, como a automatização empresarial e softwares de gestão, são opções mais eficientes.

Muitos métodos podem ser utilizados para colocar em prática essa técnica, como o Kanban e o uso de dashboards.

Mas, independente das opções escolhidas, há alguns pontos necessários à aplicação prática da gestão à vista:

  1. Estabelecer indicadores: escolher quais indicadores serão considerados mais importantes e serão acompanhados por toda a equipe.
  2. Compartilhar agendas: compartilhar as tarefas com toda a equipe, e classificá-las em: pendentes, em execução e finalizadas. Todos conhecerão as tarefas mais urgentes promovendo uma execução mais eficiente.
  3. Treinar colaboradores: a equipe deve receber as orientações necessárias para a implantação do novo método.
  4. Capacitar líderes: reconhecer lideranças e capacitá-las será uma etapa essencial para a equipe operar com a maior eficiência.
  5. Indicar um colaborador para atualização de dados: para transparência de dados, é necessário coletar informações atualizadas e precisas. Nomeie um um responsável por essa função.

2- Gestão de resultados organizacionais

Criada em 1950 por Peter Drucker, o “pai da administração moderna”, essa é uma das técnicas de gestão empresarial que merece sua atenção.

O modelo prega que todos os colaboradores da organização devem ter os resultados como foco principal de suas ações.

Cria-se um ambiente de negócios em que todos estão orientados em buscar as metas estabelecidas e não apenas focados nos processos.

Quais as vantagens?

  • Objetivos claros: ao estabelecer resultados de maneira conjunta e bem definida, o foco é muito maior. Conseguir bater tais metas se torna bem mais fácil.
  • Equipe mais integrada: com todos atuando de acordo com objetivos comuns, a integração e comunicação entre os colaboradores melhoram.
  • Engajamento: quando as pessoas sentem que são responsáveis pelo andamento de um projeto, se sentem “donas de seu próprio negócio”. Resultado? Maior comprometimento, motivação e engajamento nas atividades.
  • Aumento de produtividade: profissionais engajados, trabalhando em equipe e com metas compartilhadas bem definidas, só pode resultar no aumento da produtividade e da empresa.

3- Gestão de KPIs

Os chamados KPIs (Key Performance Indicators), ou indicadores chave de desempenho, auxiliam uma das técnicas de gestão empresarial mais conhecidas e utilizadas.

Ao aderir à gestão de KPIs você estará elegendo indicadores que monitoram e representarão o nível de desempenho de seus negócios.

Será através dos KPIs que se avaliará quais são os resultados da empresa.

Ao observar se estão de acordo com as metas estabelecidas, deve-se avaliar a necessidade de realizar ações corretivas.

Confira também nosso vídeo no YouTube sobre Gestão empresarial por Indicadores:

O que é um bom KPI?

Antes de estabelecer quais métricas usar para avaliar o desempenho de seus negócios, é preciso ter em mente que um bom indicador deverá:

  • Refletir objetivos da empresa;
  • Ser utilizado pelos gestores como fonte para auxiliar na tomada de decisões e na administração dos negócios;
  • Ser baseado em dados mensuráveis e confiáveis;
  • Ser fácil de calcular e compreender;
  • Ser definido através de regras bem claras.

A partir disso, você pode eleger uma gama muito ampla de KPI’s.

Alguns dos indicadores mais comuns nas empresas são:

  • Produtividade (ex:produtividade hora/colaborador);
  • Qualidade (ex: quantidade de defeitos);
  • De capacidade (ex: quantidade que uma máquina embala produtos por dia);
  • Estratégicos (ex:como a empresa se encontra em relação a suas metas).

Como aplicar?

Para colocar em prática a gestão de KPIs é preciso seguir estes passos:

  1. Planejamento estratégico: é preciso que os KPIs estejam alinhados com seu planejamento estratégico;
  2. Metas: defina quais as metas serão estabelecidas. Pergunte-se: o que se deseja alcançar?
  3. Estabeleça indicadores: somente depois de avaliar os itens anteriores, estabeleça quais indicadores serão considerados;
  4. Acompanhamento: é fundamental realizar acompanhamento constante desses KPIs e monitorar se os resultados obtidos estão de acordo com o esperado;
  5. Mudanças necessárias: de acordo com os dados obtidos pelo acompanhamento, será possível estabelecer se haverá necessidade de correções de desvios;
  6. Sempre é possível melhorar: os resultados estão bons? Ótimo! Mas, vale ressaltar que, mesmo que os indicadores apontem dados positivos, sempre é possível melhorar os processos. Portante, atenção constante na gestão de KPIs à procura de chances de melhoria.

Vale ressaltar que a ideia de que “quanto mais, melhor” não cabe aqui.

Ao designar os KPIs que irá acompanhar em sua empresa, limite-se a uma quantidade não muito grande.

Especialistas apontam um máximo de 5 KPIs por processo.

4- Gestão de Performance Corporativa (CPM)

Como o próprio nome sugere, a gestão de performance corporativa irá ajudar em uma atividade fundamental para qualquer empresa: monitorar e comparar resultados de processos.

Mas a definição de CPM tem uma proposta que vai além disso:

Trata-se de um conjunto de ferramentas, metodologias e práticas que torna possível gerenciar o desempenho de seus negócios de maneira mais integrada e sistêmica.

Quais as vantagens?

  • Dados profundos: ao fornecer dados mais profundos, a empresa terá uma perspectiva mais realista do andamento de seus processos. O gestor consegue repassar aos colaboradores todas as diretrizes mais adequadas.
  • Maior eficiência: com as diretrizes bem definidas e acertadas com a estratégia da empresa, os colaboradores ficam mais cientes de suas responsabilidades e mais eficientes.
  • Planejamento orçamentário: ao reunir informações importantes também sobre fatores financeiros da empresa, o CPM auxilia no planejamento orçamentário, facilitando a redução de custos e de riscos.
  • Avaliação de desempenho: ao apontar dados de desempenho da organização, é possível identificar problemas e a necessidade de ações corretivas, em busca da melhoria contínua.

Além disso, ao integrar um software de CPM com outras ferramentas de gestão, como o ERP, por exemplo, você poderá ter uma visão ainda mais compartilhada sobre seu desempenho, além de conseguir integrar e informar melhor sua equipe.

Procure por softwares de técnicas de gestão empresarial

Essas 4 técnicas de gestão empresarial são importantes para empresas dos mais variados portes e setores de atuação.

E todas elas devem contar com softwares que automatizam seus respectivos processos, trazendo melhores resultados e produtividade.

A Siteware desenvolveu o STRATWs ONE, um software capaz de auxiliar na implementação das técnicas de gerenciamento empresarial citadas acimas.

Mas se você quiser conhecer mais uma, leia esta postagem de nosso blog “Balanced Scorecard: melhores práticas” e baixe agora mesmo este template gratuito: Template Modelo de Mapa BSC