Processos

Indicadores de gestão de estoque: confira os 6 principais e saiba como aplicá-los

Indicadores de gestão de estoque: confira os 6 principais e saiba como aplicá-los

Publicação : 21/03/2019

Por Siteware

7 min

Indicadores de gestão de estoque
Indicadores de gestão de estoque

Como você faz o seu gerenciamento de estoques? Tem havido falta de produtos para satisfazer seus clientes?

Para quem trabalha com vendas, o estoque é considerado um setor-chave. É nele que ficam armazenadas todas as mercadorias que serão repassadas aos clientes.

Sem um bom gerenciamento, o estoque fica mais suscetível a erros que podem ser extremamente prejudiciais aos resultados da empresa. Principalmente em relação ao faturamento e à satisfação dos clientes.

Uma boa forma de gerenciar o estoque de maneira mais eficaz é a partir da implementação e análise de indicadores. Com eles, é possível identificar falhas, corrigi-las e aperfeiçoar determinadas tarefas, mantendo o estoque mais preparado para atender às demandas.

Neste post, separamos 6 indicadores de gestão de estoque para você usar na sua empresa. Confira e saiba como eles podem ajudar o seu negócio.

Veja também: Indicadores de inovação nas empresas: confira os 9 mais utilizados

Você sabe como fazer a gestão de indicadores em sua empresa? Então, antes de prosseguir, confira este vídeo exclusivo de nosso canal no YouTube:

6 indicadores de gestão de estoque

1 – Giro de estoque

De todos os indicadores de gestão de estoque, este talvez seja o mais comum.

O giro de estoque mostra se os produtos estão estagnados nas prateleiras (baixo giro) ou se estão com grande demanda do público e saindo bastante (alto giro).

Ele ajuda a identificar quais produtos têm maior e menor procura e, a partir disso, é possível saber se as estratégias de distribuição e de marketing, por exemplo, estão sendo bem executadas ou se precisam ser revisadas. Quanto maior for o giro de estoque, maiores serão os lucros.

2 – Ruptura de estoque

Imagine que a sua empresa vende 10 marcas de determinado produto, mas a marca “X” está em falta. Isso significa que a ruptura de estoque é de 10%.

Ou seja, a ruptura de estoque indica a relação entre os produtos em falta e os disponíveis na loja. Tendo em vista que a sua empresa deve pautar-se na demanda dos clientes, este indicador torna-se fundamental.

É extremamente necessário garantir que jamais faltem produtos, mesmo que a demanda seja alta. Caso contrário, você pode perder vendas e deixar seus clientes insatisfeitos, dando margem para que eles procurem a concorrência.

3 – On Shelf Availability – OSA

Semelhante à ruptura de estoque, o OSA é um indicador que mostra a disponibilidade de determinado produto de acordo com a projeção e o histórico de vendas desse produto.

Com o OSA, é possível identificar as causas que levaram à ausência do produto e quanto isso custa aos cofres da empresa. Assim, fica mais fácil gerenciar a distribuição das mercadorias e definir estratégias que impeçam faltas e excessos no estoque.

4 – Perdas no estoque

Um dos principais indicadores de gestão de estoque trata da quantidade de mercadoria que foi perdida durante seu armazenamento. Estar atento a esse indicador é fundamental para evitar prejuízos.

Produtos em excesso, furtos e armazenamento inadequado são alguns fatores que causam as perdas no estoque.

Para ajudar na gestão desse indicador, é importante manter os dados organizados e atualizados. Assim, será possível adotar medidas que melhorem a qualidade dos processos e evitar que esse tipo de falha aconteça.

5 – Taxa de retorno

A taxa de retorno mede a quantidade de produtos que retornam ao estoque após a conclusão da venda. O ideal é que este indicador esteja o mais próximo de zero.

Para fazer o cálculo, basta dividir o total de produtos retornados pelo total de produtos vendidos e depois multiplicar por 100.

Este indicador é importante para que se possa identificar quais produtos apresentam maior índice de devolução e, a partir disso, investigar as possíveis causas e adotar estratégias capazes de reduzir esse percentual.

6 – Tempo de reposição

O tempo de reposição tem a ver com o abastecimento do estoque. Trata-se de um indicador que mede o tempo necessário para que determinado produto chegue ao estoque e esteja pronto para ser colocado à venda.

O cálculo leva em consideração o tempo de aquisição do produto, de deslocamento do fornecedor até a loja ou de produção da própria empresa. Considera-se também o tempo necessário para que o item em questão seja devidamente cadastrado no sistema.

O ideal é que o tempo de reposição seja o menor possível. Assim, o seu negócio tende a desagradar menos os clientes e você não perde venda.

Esses foram os 6 principais indicadores de gestão de estoque. Já sabe quais você vai utilizar na sua empresa?

Confira também em nosso blog: Os 7 principais indicadores financeiros hospitalares e sua importância para a gestão

Como você acompanha os indicadores de desempenho de seu negócio? O STRATWs One é um software de acompanhamento de performance corporativa ideal para o monitoramento de KPIs.

Revolucione a gestão da sua empresa com o STRATWs One

Daniella DoyleJornalista e Publicitária de formação, está no mercado há mais de 15 anos com foco em gerar resultados para empresas B2B por meio de estratégias online e offline. Adora uma nova tendência e trabalhar com métricas e metas. É gerente de marketing na Siteware e, quando sobra um tempinho, aproveita para tricotar e pintar!

Quer saber mais sobre como usar indicadores de desempenho em seu negócio? Então, baixe nosso kit gratuito: Tudo e mais um pouco sobre KPIs