Ir para conteúdo
ter seu próprio negócio

O Brasil é um país de empreendedores. Dois em cada três jovens têm o sonho de ter seu próprio negócio, segundo pesquisa realizada pela Firjan – Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. Apesar de todos os obstáculos do ambiente tributário e burocrático, encontrar uma oportunidade de negócio vem se tornando cada vez mais viável com a difusão da informação, a adoção da tecnologia, a facilitação de processos e a redução da taxa de juros. 

Nesse artigo, listamos 4 diferentes formas de ter seu próprio negócio.

1 – Abrir um negócio

Ainda que o momento seja mais propício para empreender, quando o assunto é começar uma empresa, o Brasil ainda é um dos países com pior ambiente para iniciar um negócio. De acordo com dados do Banco Mundial, uma empresa brasileira gasta, em média, 79 dias para conseguir todos os documentos necessários e 434 dias para conseguir alvarás, licenças e registros. Enquanto isso, em um dos vizinhos próximos, o Chile, gasta-se 5 dias para estar com a empresa pronta para vender.

Depois de abertas, as empresas ainda enfrentam o desafio de se manterem vivas. Dados do SEBRAE apontam que mais de 20% das empresas são fechadas antes de completarem 2 anos de atividade.

Apesar disso, iniciar seu próprio negócio tem suas vantagens. O primeiro deles é buscar a concretização do seu próprio sonho, construindo um patrimônio com os recursos de que dispõe. Com isso, é possível conquistar maior liberdade financeira, de tempo e de vida. Não há limites quando se tem um negócio próprio. Outra vantagem de começar um negócio do “zero” é que isso exige menor investimento durante a etapa inicial. As despesas de maior volume virão somente após início das atividades da empresa, podendo ser uma alternativa àqueles que querem começar pequeno.

Por outro lado, iniciar uma empresa demanda mais tempo para preparação e maturação. O nascimento de um negócio é um processo burocrático e, muitas vezes, desgastante. Para dar o pontapé inicial é preciso cumprir alguns passos fundamentais:

1. Definir o modelo de negócio e projeções de fluxo de caixa;
2. Decidir sobre o nome da empresa e identidade visual;
3. Fazer o registro do negócio, obter CNPJ, licenças e alvarás;
4. Escolher o local certo para instalar o ponto comercial;
5. Contratar a equipe responsável;
6. Elaborar o planejamento estratégico.

2 – Comprar um negócio em operação

A opção de comprar empresa tem crescido nos últimos anos no Brasil. Em países desenvolvidos, como nos Estados Unidos, o mercado de fusões e aquisições já ocupa posição de destaque, realizando milhares de transações todo ano.

No Brasil, o que mais se vê são micro empresas passando o ponto, mas tem sido cada vez mais comum adquirir uma empresa completa, montada e pronta para operar. Isso porque o custo-benefício de comprar uma empresa estabelecida pode ser melhor do que iniciá-la, pois o período mais crítico de um negócio ocorre justamente entre a sua abertura e o seu ponto de equilíbrio financeiro. Assim, espera-se que uma empresa bem estabelecida já tenha passado pela etapa mais difícil.

Outro ponto positivo dos negócios em operação é que eles possuem ativos, fluxo de caixa e outros itens que são como garantias de um financiamento. Mesmo que nenhum banco aceite apoiá-lo, a compra de empresa também gera a possibilidade de negociar o pagamento com o próprio vendedor.

Ainda que vantajoso, é fundamental que o empreendedor tenha paixão por resolver o problema que o negócio se propõe. Isso é o que manterá o empresário motivado nos momentos mais duros do negócio, em que a vontade de desistir fala mais alto. Por isso, a escolha bem feita e o planejamento inicial continuam sendo fundamentais para o sucesso da empresa. Uma dica importante para quem assume um negócio em andamento é fazer um planejamento estratégico logo no início da sua gestão. Assim, todos os seus objetivos e estratégias estarão melhor definidos.

3 – Adquirir uma franquia

Adquirir uma franquia também tem sido uma saída cada vez mais comum no Brasil, principalmente entre os empreendedores de primeira viagem. Atualmente, existem mais de 3 mil marcas de franquias à venda disponíveis para empreendedores.

Esse modelo é geralmente mais fácil de implantar, sendo mais adequado para as pessoas que ainda não tiveram a experiência de administrar um negócio próprio. As franqueadoras oferecem suporte, padronização de processos, equipamentos e produtos/serviços, rede de fornecedores, dentre outros serviços que podem agilizar o início da operação.

Toda essa vantagem também envolve custos. Sendo proprietário de uma franquia, o empresário não terá total autonomia para decidir o que fazer na operação. Grande parte das marcas exige padrão de produtos/serviços, processos, móveis, dentre outros itens. Além disso, para ser um franqueado, as franqueadoras cobram uma taxa inicial de franquia, pelo treinamento e processos de trabalho, royalties mensais pela utilização e para marketing da marca.

Outro estilo de empreender nesse ramo é com as chamadas microfranquias. Essas são franquias menores, geralmente para operação em casa. A sua vantagem são os custos reduzidos, sendo uma saída para os empreendedores que não tem capital tão alto inicialmente.

Ainda que opte por uma microfranquia, é fundamental que o empreendedor saiba que o retorno não é garantido. Principalmente nesse modelo, quase sempre é o empresário que deve estar à frente da operação, pois o faturamento nem sempre viabiliza a contratação de outros profissionais.

4 – Comprar uma franquia em andamento (repasse)

Também dentro do mercado de franquias existe a possibilidade de comprar uma unidade já em funcionamento. Esse caso é um híbrido da compra de um negócio em operação com a aquisição de uma franquia, com algumas especificidades. Esse modelo de transação é conhecido como repasse de franquia.

O primeiro ponto de atenção é que o repasse de franquia deve ser sempre autorizado pelo franqueador, ou seja, não basta que o franqueado queira vender e que um empreendedor queira comprar. Essa anuência geralmente está definida no contrato da franquia.

A vantagem em relação a esse modelo é que o negócio já foi experimentado, já passou pelo mercado, adaptou-se e conquistou clientes. É diferente de adquirir uma franquia, montar a loja, adquirir equipamentos e estoque, até realizar as primeiras vendas. Por isso, pode ser mais viável comprar uma franquia em operação do que iniciar uma.

Conclusão

O Brasil passa por um momento de melhoria do ambiente empreendedor e já é possível identificar negócios e oportunidades à disposição de quem busca entrar no mundo dos negócios.

Como empreendedor, é preciso avaliar o potencial de cada alternativa, pois todos os modelos têm as suas falhas e as suas qualidades. É importante pesquisar e conhecer completamente o negócio e o setor antes de investir. Atualmente, já são milhares de empresas à venda e muitas delas podem ser o caminho para uma nova era de empreendedorismo.

Independentemente do modelo escolhido pelo empreendedor, é fundamental que o negócio escolhido esteja de acordo com o perfil e preferências do empresário e que seja bem planejado. Afinal, com o cenário desafiador brasileiro, ter um negócio não é tarefa simples.

Este artigo foi escrito pela equipe do MeuBIZ, uma plataforma para anúncios de compra e venda de empresas e serviços.